7718802182_a809db4165_z copy

Devoção

São Miguel Arcanjo – O chefe dos anjos

Dos sete poderosos arcanjos, mensageiros de Deus, São Miguel Arcanjo é o mais conhecido. Ele é o arcanjo da fé, da proteção, da libertação do mal, do arrependimento e da justiça. Por defender o governo de Deus e lutar contra seus inimigos, Miguel é considerado padroeiro da Igreja Católica e faz jus ao significado de seu nome: “Quem como Deus?”.  Já o termo “arcanjo” significa “anjo principal”.

Tanto o Antigo Testamento quanto o Novo Testamento mostram que o Arcanjo São Miguel foi sempre muito amado e venerado pelo povo de Deus. Como líder dos exércitos celestiais, São Miguel é geralmente representado por cabelos dourados e olhos azuis, irradiando um brilho deslumbrante que representa a confiança e a fé em Deus.

Quando seu nome é invocado em oração, ele ouve as súplicas dos homens  –  que trazem dores de alma, mental e física – e vem trazer-lhes auxílio com Suas Legiões, defendendo seus fiéis contra os perigos e forças do mal e dos inimigos com o grande poder que Deus lhe concedeu. Sua festa é realizada todo ano no dia 29 de setembro, quando também se comemoram os dias dos anjos Gabriel e Rafael, na “Festa de São Miguel e todos os anjos”.

 

Oração a São Miguel Arcanjo

São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate. Sede nosso refúgio contra as maldades e ciladas do demônio. Ordene-lhe Deus, instantemente o pedimos, e vós, príncipe da milícia celeste, pela virtude divina, precipitai no inferno a satanás e a todos os  espíritos malignos, que andam pelo mundo para perder as almas. Amém.

 

 

Beato José de Anchieta – apóstolo do Brasil

José de Anchieta nasceu em 19 de março de 1534, em São Cristóvão de La Laguna, Ilhas Canárias, Espanha. Entrou para a Ordem dos jesuítas em 1551, com 17 anos, e chegou ao Brasil em 13 de julho de 1553, como missionário. Anchieta construiu a primeira Capela de São Miguel Arcanjo e está entre os fundadores da cidade de São Paulo, São Sebastião (Rio de Janeiro) e outras. Também foi sacerdote, professor, historiador, gramático e poeta, sendo considerado fundador ou iniciador da literatura, teatro e poesia brasileira.

Logo no ano de sua chegada ao Brasil, ele se encontrou com os índios Tupis que viviam nas proximidades da missão, dominuou rapidamente sua língua e por duas décadas trabalhou na gramática indígena, escrevendo dicionários que seriam usados pelos portugueses e pelos missionários. Além de evangelizador, exerceu ainda a função de médico e enfermeiro, aprendendo com os índios a utilização das plantas medicinais. Escreveu sobre zoologia e botânica brasileiras.

Ele faleceu em 9 de junho de 1597, em Reritiba (atual Anchieta), estado do Espírito Santo. Nos 44 anos que viveu no Brasil, foi respeitado e venerado por todos – índios, portugueses, espanhóis e brasileiros. Pelo esplendor de suas virtudes – humildade, coragem, paciência, benevolência, caridade, espírito de oração –, pela fama de milagreiro e pelo culto que o povo brasileiro sempre lhe prestou, o Papa João Paulo II o proclamou Beato no dia 22 de junho de 1980 e sua canonização se deu no dia 03 de abril de 2014 por Sua Santidade o Papa Francisco.

Sua festa é celebrada todo dia 9 de junho.